segunda-feira, 17 de março de 2014

Chegadas e Partidas

Várias histórias. Vários lugares. Várias pessoas. Ela respirava fundo e o coração batia incansavelmente. Ela era Maria. O coração apertado de Vinícius. Jonas saia correndo com os braços abertos. Roberta olhava o horizonte e se perguntava: “ Mais um desafio, será que darei conta sozinha neste lugar desconhecido?”, indagava. São histórias diferentes, mas acontecem em um mesmo lugar: na Rodoviária.

Maria estava à espera de Jonas, que sai correndo para abraçar sua noiva. Eles iam se casar naquela semana. Jonas, paulista, estava de malas prontas para morar em Brasília e viver seu amor. A inquietude dela era compreensível, já que ia unir-se a sua outra metade. As portas abertas do ônibus selaria um novo momento, uma nova vida e uma nova celebração para o casal. Nunca a abertura de uma porta foi tão esperada.

Rodoviária: Lugar amado por uns, detestado por outros ou vice e versa. Local onde pode-se ver pessoas de todos os tipos. Do salto alto a chinelos de dedos. A diferença às vezes se faz gritante, não pela vestimenta, mas pelos olhares que se chocam com o destoar das diferenças, já que o avião não pode ser pago por muitos e em muitos lugares não existem aeroportos. O jeito mesmo é pegar o “busão”.

Na janela do ônibus, dois olhares entristecidos cruzavam-se com os de Vinícius. Eram sua esposa e filho, Janaína e Lucas. Há cerca de dois meses, o casal descobriu que o filho de 04 anos estava com leucemia. Foi um choque. O tratamento só poderia ser feito em outra cidade. Janaína largou o emprego e Vinícius ficou, pois tinha que trabalhar e sustentar a família. Ele só poderia os ver quando pudesse e tivesse uma folga mais prolongada. A distância era grande e saudade maior ainda. Mesmo assim, dentro de seu coração a certeza que veria Lucas curado.

Roberta, aos 18 anos, vivia o momento mais decisivo e emocionante de sua vida. Veio de uma família humilde, que morava no interior do Brasil. A mãe era costureira e o pai agricultor familiar. Nenhum dos dois tinham terminado os estudos, foram até a 4ª série, mas sempre incentivaram a filha a estudar. Trabalhavam de domingo a domingo, pois sabiam que se não fizessem isso, talvez o futuro dela seria outro. Naquele dia, Roberta estava chegando a Brasília porque passara no vestibular de agronomia da UNB. Estava com saudades, mas matava os pais de orgulho.

A Rodoviária conta as histórias dos verdadeiros seres humanos, do dia a dia, do cotidiano. Histórias de amor, tristeza e às vezes até ódio, que nem precisam ser inventadas, pois são realidade. Chegadas e partidas. Idas e vindas. Como a vida realmente é. Nenhum conto de fadas, mas sempre de pés no chão.

4 comentários:

  1. O olhar do observador sempre terá estórias maravilhosas. Continue assim, bichinha!

    ResponderExcluir
  2. Daria um belo livro, e eu com certeza seria uma leitora assídua, amei essas palavras, pois carregam nela a verdade, parabéns moça, já é inspiração pra mim!

    PS: Encontrei esse link na página da Tatiana Marques .

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada pelo seu comentário Sarah! Comentários como o seu me dão mais força para continuar neste caminho (literatura). Desculpe responder-te só agora. Um bela vida e carpe diem! :D

    ResponderExcluir